29.12.11

A OUTRA MASSA CRÍTICA


Escrevo rápido com uma sensação de desespero e frustração. "Não", penso comigo, "isso não quer dizer nada, isso não mudará nada". Custo a acreditar que algumas pessoas foram conversar com as autoridades locais e fizeram uma espécie de acordo, ou sugeriram medidas para govertamentabilidade da MASSA CRÍTICA. É claro, ninguém falou pela Massa Crítica, ninguém ousaria dizer que estava representando um evento que têm por princípios a horizontalidade e a ausência de representação, ninguém faria isso sem ser rechaçado e, no mínimo, virar piada. Por outro lado, o que ocorreu hoje - indivíduos que falaram por sí próprios, dialogando com as autoridades (e a horizontalidade?) sobre quem deve "proteger" a MASSA - me deixou profundamente abalado.

Dar esse passo para trás não faz justiça nem a nós mesmos que fomos atropelados, quanto menos ao número inestimável de pessoas que usam a bicicleta como transporte e são atropeladas por veículos automotores todos os dias. A essa altura do texto, muitos já devem estar fazendo pouco caso da minha frustração, filosofando talvez sobre como é infantil e pernicioso ser radical dessa forma. Pra que esses tenham logo certeza disso (e para não me alongar muito aqui) vou explicitar minha linha de reflexão, que é pensar a Massa Crítica como o evento mais RADICAL e CRÍTICO ao deserviço à população que governos e montadoras de carros praticam, que possuiu uma HISTÓRIA e CULTURA DE DESOBEDIÊNCIA À SOCIEDADE DO AUTOMÓVEL, que PROTESTA e que tem em comum um princípio tão caro ao anarquismo que é a HORIZONTALIDADE. (Sim, eu quero repetir essa palavra, e escrever quantas vezes puder pra que os 'indivíduos' que tem simpatia pela Massa e participam da mesma reflitam um pouco mais sobre seus significados e seus desdobramentos...)


Assim, pude perceber através desse 'encontro' a triste incapacidade que algumas pessoas tem em dar legitimidade para qualquer organização popular que esteja aquém, ou mesmo CONTRA as instâncias de poder local. Além disso, fica de exemplo para todos que querem organizar sua rebeldia, que até para ir contra você precisará pedir permissão. 
É óbvio que isso não é e nunca será um argumento para a maioria branca, estudante universitária, que possui direitos, cidadanias e papéis bem definidos na sociedade que frequenta o evento (em vias de ser patrocinado por uma marca de bicicletas que chegará (de carro) para distribuir bonés-???-) , então vou diretos aos pontos de choque, nomeando personagens tão fictícios quanto reais para tramar meu pensamento:





- ILUSÃO DE SEGURANÇA PROPORCIONADA PELA ESCOLTA:


'A' achará incrível a primeira, a segunda e a terceira massa crítica das quais participou. se sentiu livre pra pedalar, resolveu ir sozinho até a casa de um amigo em um dia de semana à noite e foi atropelado por um ônibus de linha.




- CICLISTAS EVENTUAIS QUE NÃO QUESTIONAM O CARRO:


'B' andará de bicicleta somente durante as massas críticas, afinal é seguro e um ótimo meio para fazer contatos, tanto afetivos quanto profissionais; jamais andará no trânsito, caótico e perigoso por natureza, além de tudo tem seu carro e seria impossível chegar suado no trabalho. esquece. frequenta a massa como quem brinca com autoramas, carrinhos de controle remoto e aeroplanos.


- CONTROLE E CATALOGAÇÃO DE ATIVISTAS E OU 'DESORDEIROS' - FLAGRANTE

'C' sempre gostou de participar da massa crítica, aproveita a proteção de seus iguais pra soltar um pouco mais sua indignação, grita com motoristas, não se sente vítima e quer discutir, marcar território; em uma briga, um motorista se excede, coloca o carro pra cima. C discute e amassa o carro. Um agente próximo em serviço faz o possível pra preendê-lo em flagrante. nada é mais sagrado que a propriedade privada. C é preso e nenhum dos indivíduos que estavam de bicicleta ao seu lado faz algo para impedir. indivíduos que testemunharão a favor do motorista estavam de bicicleta..

A OUTRA MASSA CRÍTICA

Em 15 minutos, os primeiros dessa Sexta em que haverá a Massa Crítica Legal, me senti horrível e rapidamente enumerei esses três pontos. Gostaria que 'B' não  estivesse em uma MASSA CRÍTICA. Mas nessa que é protegida, segura, um circo bonito e - mais que nobre e respeitável, RESPEITADORA -, 'B' está. Seria menos frustrante para mim que esses passeios fossem patrocinados por companhias telefônicas e hipermercados tradicionais da cidade. Ao menos a publicidade não esconde seus interesses e este passeio não se chamaria Massa Crítica. Estou delirando, ou não há mais volta?

Escrevo para que grupos amanhã se separem da Massa Legal, ou puxem um Olé inteiro, ou mintam, ou não dialoguem, ou causem constrangimento aos controles: inventem qualquer coisa. A CRITICA É CRIATIVA, portanto, DESOBEDEÇAM!

5.9.11

Agosto

O homem morreu de frio
ao lado das suas garrafas.
Corvos e animais carniceiros
o espreitavam.

Uma senhora maqueada,
folheando livros de poemas,
comentando sobre o ocorrido
com sua sensação
de dever cumprido
perante sua vida medíocre
é mais degrante
do que tudo que foi dito

sobre o homem
sobre a pobreza
sobre a solidão
sobre a embriaguez
sobre a morte.

morra, senhora
e permita que o mundo seja feito pela nossa própria justiça
e não pela de seus deus nojento
cuja imagem é sua semelhança

4.5.11

Em andamento

Brow! Pensei sobre fazermos uma experiência!
Hoje pela manhã escrevi uma música, já encaixei dentro de uma melodia e ela já flui. Então fiquei curioso. Pensei em te mandar o que escrevi com as notas que propus e ver como tu faria ela fluir do teu jeito. Podemos depois comparar, escolher uma, misturarmos, etc. Acho que isso é bom e vai ajudar a cada vez mais experimentarmos nosso processo criativo!

Postei ela pela página da @Rocartê e aqui no meu blog!

http://ghost-orchid.blogspot.com/2011/05/em-andamento.html

Bom dia! Até de noite!

Beijos, Igor
 

F7+ Gm7
Conhecer a queda
Como as folhas conhecem o outono
Não desperdiçar a primavera
Saber florescer de novo

Gm C F Dm
E se não vir
E se ficar
Se correr
for parar

Quero as coisas
Como são
Vão sendo
Andamento

(em andamento)

15.2.11

Manifesto da selva mais próxima


"abolição de toda a convicção que dure mais que um estado de espírito" - Alvaro de Campos

Os produtos químicos, a industria farmacêutica & os
miasmas roerão teus ossos até a medula/ cadáver rico
em vitaminas/ rodopios no rio da indústria/ burocratas
ideológicos morrendo de rir/ marxistas que depois que
arrancaram a próstata tomaram o poder/ vastos
desertos no Cérebro/ políticos estatísticas câncer no
rosto vazio das avenidas da Noite/ Mulheres agarrando
garotos selvagens para enquadrá-los no Bom Caminho/
assobios & fome do verdadeiro caralho fumegante/
Robert Graves, Brillat-Savarin & o refrão dos meus
desejos/ Feiticeira Ecológica no Liquidificador
Minotauro/ hortaliças incineradas por mercúrio/
botinadas da KGB & canções lancinantes/ Tempo no
osso/ Televisão/ Centauro na rota da Revolta/
Estrelas penduradas na fuligem/ Catecismo da
Perseverança Industrial/ Os governos existem pra te
deixar com esse ar de cachorro batido/ os governos
existem pra preparar a sopa do General Esfinge/ Os
governos existem para você pensar em política & esquecer
o Tesão/ Batuque Nuclear Anjo-Fornalha/ poesia
urbana-industrial em novo ritmo/ Cidade esgotada na
feiúra pré-Colapso/ recriar novas tribos/ renunciar aos
trilhos/ Novos mapas de realidade/ roteiro erótico
roteiro poético/ Horácio & Lester Young/ Tribos de
garotos nas selvas/ tambores chamando pra Orgia/
fogueiras & plantas afrodisíacas/ abandonar as
cidades/ rumo às prais salpicadas de esqueletos de
Monstros/ rumo aos horizontes bêbados como anjos
fora de rota/ Terra minha irmã/ entraremos na chuva
que faz inclinar a nossa passagem os Guaimbês/
Delinquência sagrada dos que vivem situações-limite/
É do Caos/ da Anarquia Social que nasce a luz
enlouquecedora da Poesia/ Criar novas religiões, novas
formas físicas/ novos anti-sistemas políticos, novas
formas de vida/ Ir à deriva no rio da Existência

Roberto Piva
Hora Cósmica da Águia
SP outubro de 1984

10.2.11

Vie

de onde vem
pra onde vou
o que ficou
desse lugar
e o que vai ficar
depois que for

eu sou o outro
se veja com meus olhos
e eu me verei nos seus

26.1.11

Estudos para a música de um longa viciadão

Eu encaro dentro de mim
todos meus demônios
entupindo-me de tóxicos

Sou aquele que deve ser
mantido afastado
de seus carros importados
e da violência escondida
na estética de seus caros
amigos & apartamentos

OLHEM PARA MEU CORPO ESTIRADO NO CHÃO

Seu dinheiro se transforma em visões que percorrem meu sangue.

ALUCINAÇÃO

Eu sou o abismo que re-interpretarão
O lixo por baixo do tapete bonito
Uma peça, uma pregação

O CAOS NUNCA MORREU
hoje o sinto em mim
hoje ele sou eu

Meu corpo é a ruína visível
da injustiça que move seus moinhos

24.12.10

Meu blog, 2010, Compact Disk & Rocartê Zine #2

Ando completamente fora desse meu blog individual por um motivo maior. Para quem não sabe, a banda que toca no player ao lado, a ROCARTÊ (com acento circunflexo no E), é composta por mim e por mais 4 amigos do peito e da rua. Ultimamente temos nos dedicado às nossas gravações, composições, ensaios, shows, material para internet etc., e isso explica minha ausência 'individual' - a presença nesse projeto coletivo.

Geralmente, só coloco neste espaço pedaços de coisas que escrevo, que de certa forma são pedaços da minha vida real, que também de certa forma podem ser chamados de 'poemas' - embora eu prefira chamar de palavras & ritmo, o que me afasta conscientemente de qualquer escola da Literatura, da Poesia e de tudo que tente representar algum esquema organizacional para minhas idéias e experiências. Isso não é novidade para ninguém...

Expliquei o que eu faço no meu blog geralmente justamente para tentar desajustar o que tenho feito através deste post. Então, hoje só quero compartilhar o Zine da minha banda e explicar o que ele significa.

Já estamos no fim do ano e muito tem se falado sobre a virada que a industria cultural deu na última década, mas, principalmente, como o ano de 2010 foi um ano muito produtivo para o cenário independente graças a internet. Especialmente na música, muitas bandas tem se reinventado desde que o CD começou a morrer. Digo 'começou' porque para alguns segmentos, para a velha guarda, ou para músicos que almejam o status da velha guarda, esse processo de Falecimento do Compact Disk ainda não terminou.

Para a ROCARTÊ o CD já está morto e é através de nosso Zine e de nossos shows que pretendemos realizar a troca com o público. Todos nós gostamos de trocar coisas, e realmente o praticamos muito no nosso cotidiano - por isso, se não há mais CD, vamos inventar e compartilhar outras coisas - o real nunca será substituído pelo virtual!

http://issuu.com/rocarte/docs/rocartezine2

Baixe de graça nossas músicas, vá aos nossos shows e tente conseguir nosso zine que também é de graça!
Tente nos convencer a tocar na sua cidade, bole planos malucos, venha conversar com a gente!
A vida é cada dia mais curta para ficarmos presos a um único modo de encararmos as coisas. Tenha noção de que um dia você vai morrer e realize algo grandioso e mitológico!

(Acho que esse texto ainda não está pronto, o que não vai me impedir de postá-lo)

Saudações,
Facção de Ação,
ROCARTÊ

MySpace
Rocartê no Facebook
bandarocarte@gmail.com

23.11.10

pré-mudança

eu não caibo
nesse lugar
esse quarto
nunca foi meu

[nem nosso]

quantos livros...

....

hão de sair do papel
hão de circular por outras mãos

repousando sob outros olhos
chegaremos ao céu

enquanto isso
é preciso estar
em tudo estar
menos aqui

[canetas que riscam paredes e banheiros]
transfigurar o sentido de cada lugar
tem sido meu jeito
de me mudar

28.10.10

mamma famiglia mia - 5 horas vodkas

queria muito que você
escutasse mais
enquanto me escuto
pouco antes que você
falasse o que você falaria
sobre o que eu estou falando
mesmo antes de me escutar

porque eu não gosto
de brigar
com quem eu amo

29.9.10

Insolência Vagabunda

Uma amiga querida
mostrou alguns 'poemas' meus
para um professor de literatura
do colégio Anchieta.

Ele disse
que eu não passo
De um futurista ultrapassado
De um dadaísta ultrapassado.

["porque poesia não é reclamação,
mas manifestação estética"]

[- isso pros estáticos como você
porque pra mim é o que eu quiser!]

AHAHAHAHAHAH

Ultrapassado é ele
escrevendo resumos pra vestibular
selecionando a literatura sacra
do colégio de padres bundas mole
em que leciona
se achando moderno
sem nenhum problema
de consciência

AHAHAHAHAHA

Seu bobo,
Da próxima vez
Me chame de pré-moderno
de ranter
"Regozije-se
porque tudo é nosso!"

23.9.10

Providências

o inferno
é um D43 [18:30]
lotado de universitários
falando sobre seus sonhos
medíocres
e discutindo futebol

o diabo
é o cobrador
em todas as paradas
berrando
"mais um passinho à frente
por favor"

[como se o espaço físico do ônibus
aumentasse na medida em que entram pessoas
e nenhuma sai]

16.9.10

d e l e t e

acho bobo
voce esconder seu presente
por causa do passado

mas sei
que é em prol
do futuro bom

[tipo amanhã]

15.9.10

Dia logos 2 [matutinação surreal]

E: Eaí, Frutinha, uiuiui

I: Fala frescão

E: O vocal daquela banda Cazuza
Morreu de aids
Se atacou da aids

I: Cigarro né meu

E: As pessoas se estragam.
Logo um jênio daqueles...

I: Descendente dos Jônios
Ascendentes dos Gregos

E: Sim!

I:  ...Grandes mestres do Pensamento
Até hoje aquelas pirâmides
Estão de pé...
Matemática né

E: Naquela época esistia pessoas intelijentes
Lembra quando eles foram pra Lua?
Muito foda

I: É mesmo!

E: Só não precisavam
Terem pregado
Jesus

I: Tu diz na cruz,
Ou através dos tempos?

E: Na cruz
Nunca iam aceitar um novo Gênio

I: Cruzes!
Achei que tu tava falando dos Jênios!
Viu só,
A gente teria mais assunto
Se tu não fosse tão cartesiano!

E: Sou caucasiano mesmo, e daí, seu trouxa?


[E não está online]

14.9.10

Fragmentos de uma antropologia anarquista

Cético: Bem, eu talvez tome essa idéia anarquista toda mais seriamente se você puder me dar alguma razão para pensar que isso funcionaria. Você pode me nomear um único exemplo viável de uma sociedade que existiu sem governo?

Anarquista: Claro. Existiram milhares. Eu posso nomear uma dúzia só de cabeça: os Bororo, os Baining, os Onondaga, os Wintu, os Ema, os Tallensi, os Vezo...

Cético: Mas esses são todos uma penca de primitivos! Eu estou falando de anarquismo em uma moderna e tecnológica sociedade.

Anarquista: Ok então. Houve vários tipos de experimentos de sucesso com auto-gestão de trabalhadores, como Mondragon; projetos economicos baseados na idéia da economia da dádiva, como Linux; vários tipos de organização política baseada no consenso e democracia direta...

Cético: Claro, claro, mas esses são pequenos, isolados exemplos. Eu estou falando de sociedades inteiras.

Anarquista: Bem, não é que as pessoas não tenham tentado. Veja a comuna de Paris, a revolução na Espanha republicana...

Cético: É, e olhe o que aconteceu com esses caras! Eles foram mortos!

Os dados estão carregados. Você não pode vencer. Porque quando um cético diz "sociedade" o que ele realmente quer dizer é "estado", até "estado-nação". Já que ninguém vai produzir um exemplo de um estado anarquista--isso seria uma contradição em termos--o que nos realmente está sendo pedido é um exemplo de um moderno estado-nação com o governo de alguma maneira arrancado....

http://pt-br.protopia.wikia.com/wiki/Fragmentos_de_uma_Antropologia_Anarquista

13.9.10

Dia logos

E: quer namorar?
(chegando no amigo)

I: Eu já tenho um compromisso
Com jesus cristo
Que até rima

E: Tudo rima com jesus cristo

I: Porque ele é tudo né

E: Tudo que tu imagina
Árvores
Passarnhos
Cebola

I: Adoçantes
Castanha do pará
Nozes

E: Solventes

I: Cigarros

E: Cascolinha

I: Acho que isso virou um poema underground

12.9.10

Vai ver

Li todos seus testimonials
E já penso
Que vou ser melhor em tudo



[assim]
[em poucas palavras]

7.9.10

Internet pirata afundada, SMS interceptado

meu celular
não deu certeza
de que as últimas mensagens
tenham sido enviadas

Então é claro

[não, não é claro]

que eu vou
escrevendo
pra lhe mostrar depois
que eu quis dizer

Que é claro

[sim, agora é claro]


que eu me senti culpado
por não ter conseguido
responder

Que é claro
[muito claro]

que sua resposta
é a mais gostosa
sobre fazer o tempo

Porque tem gente
que imagina o que acontece

Tem gente que
não sabe o que acontece

E a gente
que faz acontecer

[(((salvealienpreto)))]

Pelo menos agora tem mais espaço
pra eu te contar
que te imaginei comigo
ouvindo os passarinhos
cantando do lado de fora da minha janela
tentando adivinhar quantos deles
[e suas cores diferentes]
produzem esse som tranquilo
que você está perdendo
[espero que não por muito tempo]

6.9.10

lembrar (seleção de anotações [onfray e chamfort] com ritmo)

um conhecimento só me interessa
na medida em que me permita
VIVER MELHOR

[pra isso]
é preciso buscar
um estilo
de ternura e delicadeza
capaz de transformar
em JOGO DE VIDA
os jogos mórbidos
da competição
da concorrência
e do culto a força

=

nunca serei um padre.
amo demais o descanso,
a filosofia,
as mulheres,
a honra,
a verdadeira glória;
e muito pouco
as rixas,
a hipocrisia,
as honrarias
e o dinheiro.

=

existem tolices
muito bem vestidas
assim como há tolos
muito elegantes

=

a natureza não me diz:
"seja pobre",
e muito menos
"seja rico";

mas ela grita para mim:
SEJA INDEPENDENTE.

1.9.10

Uma viagem fantástica


Guarde em caixinhas tudo que você achar estranho
Anote os cheiros, as cores e os jeitos
Porque assim quando você voltar
Eu ainda vou poder me surpreender
Com o que você já se habituou

Vamos rir dos costumes
Nos alegrar pensando
Que as pessoas são peixes diferentes
No mesmo cardume
E que isso é bom
Isso é bom
Isso é bom

No fundo
As pessoas todas
Ou vão ter
Ou já têm
Saudade é bom
E Isso é bom também

11.8.10

séria roubada seria roubada séria

enquanto entrelaço
os dedos das minhas mãos
imagino as suas.

em um transe mágico
faço do presente
o futuro que quero.

já que não posso lhe ver
acho que só sei amar de longe

projetando seu sorriso no espelho
vou capturar sua boca
em um verso.

assim [que] espero.

26.7.10

Aprendizado tardio com sequela e retardo normal

Ela me disse
que a lua crescente
forma o sorriso
do gato da Alice.

[nunca esqueci disso]

(e o quão triste
é escrever bonito
sem agir parecido)
...

de longe

hoje

você é maior
do que quando estava comigo

[será que tenho aprendido?]

não é charme,
mas eu realmente
gostaria de ser só seu {amigo}[n]

essa noite
tenho certeza
que vou sonhar contigo

T onze mil pingos caindo

os pingos da chuva
fazendo barulho
no teto do meu guarda-chuva [...]

quandos os carros passam
seus faróis acesos
refletem a àgua que cai do céu

(devagar)

assim parece que chove mais
que o ônibus não vai chegar
que eu espero em vão
por uma lembrança sua [minha?]

acho que de uma forma ou de outra
aquele seu cachorro me devorou
ao contrário
pra fora de sua vida.

esperar.

lembrar a saudade.

espero que você esteja bem
enquanto resisto
a um domingo sozinho.

6.7.10

Rascunho [para modificar e ser modificado]

eu queria lembrar
de coisas que não vivi
de lugares em que não estive
quando esqueço
de episódios que aconteci

então
uso a imaginação
escuto sonhos
discuto com os carros

eu e eu
sempre nos lembramos
de você e mim

e pra onde não fomos
e sempre poderemos ir
juntos

se usarmos
a imaginação
estamos à salvo
existindo ontem
pairando amanhã

assim me sinto
confortável
dentro da instabilidade
do meu corpo/traje
instável

lembro do que foi
e do que não é
mais
mas
sonhar
tanto à noite
quanto de dia
me tornou esse cara
durão
que você quase conhecia

imagina?
eu sempre serei
eu
nós
o que acontecia
o que pode acontecer

viajar pra longe
a música
é me encontrar dentro de ti
e vice-versa

eu sempre soube e imaginei
o que nos afastaria
o que nos juntaria

continuo sabendo
caminhando em nossas pernas
olhando para o nosso céu

estamos sempre por aí
não é mesmo?

23.6.10

PARAISÓPOLIS

hoje, dentro do ônibus
voltando da 25 de março
ouvi um homem
que dizia a verdade

enquanto a maioria dos passageiros
fingia não escutar
ele contava proezas
de suas duas últimas noites
em claro

solitário
tendo com o velho,
sua cachacinha
sua única companhia

hoje, voltando da 25 de março
prestei atenção
em um homem
que dizia a verdade

dormindo nos ônibus
perdendo as paradas
carregando galões de água
[trabalhando bêbado]
[em sua bicicleta]
atravessando boa parte
dessa enorme cidade
a pé
para terminar no meu ônibus

gargalhando
um homem que dizia a verdade

e talvez por isso
por seu prazer de viver
e anunciar sua história
[imagino que vocês imaginem]
que o homem
que dizia a verdade
não pagou sua passagem.

17.6.10

queda acompanhada

quem te leva dos meus olhos?
que são espelhos fundos
do que tu sentes
nesse abismo profundo
em que caímos juntos
comigo-contigo-quentes
sem se machucar
que a dor nesse lugar
não, a dor não existe
é só prazer que sentiste
a queda, a volúpia

sim, ninguém te leva dos meus olhos
enquanto caímos os dois
com estilo
sem medo, ameaçadores
por estarmos
em grande companhia.

15.6.10

Cohen

poesia é só evidência de vida
se sua vida está queimando bem
a poesia é só a cinza.

[tradução livre de um trecho do leonard cohen]

Crianças selvagens [H.Bey e as crianças da praça]

amar e libertar
são o mesmo ato
compreendido
em sua maioria
apenas
por artistas, anarquistas
pervertidos, heréticos

um bando à parte
capaz de se juntar
apenas como as crianças
selvagens
se encontram,
trocando olhares secretos
à mesa de jantar
ENQUANTO OS ADULTOS
TAGARELAM
POR DETRÁS DE SUAS MÁSCARAS

11.6.10

[não confio em ninguém com mais de vinte anos]

eu sei que você sabe
que eu tenho pensado
muito sobre a gente

você sabe que eu sei
que todos esses dias
têm sido tão diferentes

alegria, eu tenho
tanta vontade
de me mexer

com//pôr você

7.6.10

> são ver ter a sub ver >



I. dificuldade de comunicação de diversão
discurso segmento escolha público
alvo empresa hipermercado
suposta individualidade que não precede o social
como se a diferença se desse no espelho
e não no brilho de outros olhos
outras pessoas, roupas, olhares
é mentira
a diversidade ainda se insere no 1
produto 1 loja 1 espaço geográfico 1
1 quem frequenta 1 quem trabalha
trabalho trabalho trabalho
compro compro compro
consumir para dar trabalho
trabalhar para poder comprar
(você sabe muito bem disso
você está cheio disso
você tem cheiro disso)


II. história, explosão atômica, hiperexposição, confinamento
jornal-cinema-rádio-televisão-celebridade
propaganda guerras mundiais armas nucleares
liberdade
política, marketing subliminar
agressão, inconsequência
[o presente não se importa com o que de fato ocorre e é injusto com o futuro,
como os tribunais de justiça e os hospícios:
injustos por excelência
mania de todos ricos]

III. produtividade, tecnologia barata, reprodutividade do ciclo.
comida fast congelada food: ebriedade sedentária
falsos jornalismos e câmeras de vigilância: cartografia sistêmica
pressão arterial = repressão policial
[exagere e você explode(ou é explodido)]
levantes violência sequestro estado de terror.
(ainda prefiro a alucinação lúdica do lsd
à apática paranóia das telas de lcd)

IV. velocidade e apatia
carro petróleo relógio de pulso
administração, otimização das horas
(no fundo você não é tão otário
e sabe que o tempo só parece correr mais rápido
por que o mundo está realmente sumindo mais rápido)
comunicar espalhar o que comprar o que descartar
para novo comprar de novo
como consumo como uso como abuso
me lambuzo com o resto de escravidão assalariada
disfarçada pela lei, no direito, no sorriso prometido
desenvolvimento
qualquer trabalho sem sentido desde que trabalho
quieto, sonho dos sonhos,
queria ter um sonho diferente:
tenho.

V. para r(existir)
tenho a hostilidade o repúdio as palavras-bomba
esperança
e uma vingança
a contra história da histeria de são paulo (do santo, da cidade)
[os monoteísmos o capitalismo capital
a pena de morte
a homogenização disfarçada em tudo
a variedade da indústria]
quero pecar e não fazer parte
para a filosofia do mundo contemporâneo,
minha heresia transcendental,
meu nomadismo eterno.
que nossas grandes aglomerações urbanas
sirvam de sede para inúmeros espaços virais
seitas secretas, sabotagem
redes piratas no submundo
para saquear até o inferno
quem nos sacaneia sorrindo

28.5.10

Vento Oeste [para Percy Bysshe Shelley e Larica]

então ela apareceu
por alguma coisa
que eu escrevi

falando de coisas
que eu entendo
e entendendo
das coisas
que eu falo

depois
de um beijo gostoso
ela arrancou
o crucifixo do pescoço

não fosse a blesfêmia
seria divino
mas o maravilhoso
é real

a realidade é tudo
que há
de sobrenatural

19.5.10

Última InterferênciA

perdendo meu tempo
com poemas sobre a perda de tempo
perdendo algum espaço
com suas coisas dentro do armário

pensando que gostaria
que você não saísse da minha vida

achando que preferia
que suas roupas no meu quarto
inesperadamente, um dia
se transformassem
- em você com suas roupas -

achei que era isso que você queria!
que nós queríamos!
um sonho de um possível encontro
o futuro!

nunca pensei que fosse melhor
deixar tudo espalhado

[tenho pensado]

pra evitar de me ver
ou de lembrar
das poucas noites
que você as tirou e colocou
para dormir comigo

não as vejo
contaminadas
e arrependidas
assim

ou devo
esterilizá-las
e empacotá-las
aqui?


se você sonhasse mais
poderíamos ter dormido
a vida inteira
juntos

17.5.10

Feitiço 1

disfarçado em uma mesa
do café de um supermercado de luxo
passo os olhos por dezenas de carros
e por carrinhos cheios de compras

enquanto degusto minha cerveja mágica
e fumo meu cigarro de macumba
lanço feitiços para amaldiçoar
todos meus inimigos

escravos hiper-felizes
e coloridos
como hiper-mercados

ultra-depressivos
com seus remédios e anos de análise
sem sentido

cada um deles
responsável por um pedaço
da minha angústia
e pela ascensão
de meu poder pessoal-festivo-
sobrenatural
para destruí-los

sim, eu sou um homem
tão livre e selvagem
que apenas minha presença
já lhes causa desconforto

ESTA NOITE TODOS SERÃO VÍTIMAS DE BRUXARIA.
ESTA NOITE TODOS SONHARÃO
COM UM MUNDO DE SEXO, AMOR E ALEGRIA.

acordarão em um escritório qualquer
para o início de uma reunião.

este é o SEU mundo,
cachorrinhos servis.

10.5.10

prestatenção

não deixe
que eu deixe
de querer te ver
por seu orgulho
superioridade
autosuficiência
autoconfiança
se no fundo
você ainda me vê
no seu mundo.
não seja indiferente.
não é assim
que você vai me dar
o troco.
isso é maior
que um jogo.
você não quer
me ver?
me morder
me bater?
se eu mexo
com seu coração
é porque
eu ainda estou
aí dentro
e não pretendo
sair tão cedo.

8.5.10

será que a gente acredita

na gente será que a gente acredita?
as pessoas se debatem na rua
se entopem de drogas em boates coloridas
choram em butecos à luz do dia
desesperadamente
em busca de companhia

a gente
será que a gente acredita na gente?

quando uma pessoa
nos envolve fisicamente
emocionalmente
moralmente
por todos os entes
entre
seres
partículas
da gente
e passa a ser A pessoa
A pessoa não é uma pessoa
é a 1 pessoa
1 ser que com a gente são 3
é 1 que pode ser
que pode vir a dizer
quando velhinhos
lembra quando a gente...

a gente
será que a gente acredita na gente?

Uma vez eu te mostrei
o que o Rilke dizia
em uma das cartas
para um jovem poeta

Era algo sobre
se atrelar às coisas difíceis
lembra?

será que a gente acredita na gente?

Uma coisa é certa:
nossos pés atrás
não nos levarão pra frente

6.5.10

Palavras sobrevivem

sempre que lembro do teu sorriso,
sorrio por dentro sozinho
como se eu tivesse um segredo maligno
e um plano perfeito
pra só viver de uma intensa serenidade
que é tipo andar contigo

5.5.10

Invencível

Sensibilidade-própria
de quem encara a vida
sob outra ótica
É-ESTAR acordado
enquanto os outros
dormem ou trabalham

Termino o vinho
compro uma cerveja
colho laranjas lindas
em um jardim podre

Diga-me que a vida é triste
e eu te levo pro outro lado da margem.

Viver, meu amor
DAQUI,
só comprando outros olhos

Tenha coragem
e siga a risca
a pista
pisca
coração

29.4.10

erroversível

eu deixei o meu amor no carnaval
fingindo que não me importaria
se alguém o levasse
pra longe de mim

[e a partir daí ela nunca mais me olhou do mesmo jeito]

se eu pudesse virar esse vendaval
numa máquina eu viajaria
pra que ela voltasse
comigo aquele dia

[e aí então ela não teria mais medo,
sabendo,
que o futuro e depois
só pertencem a nós dois]

26.4.10

funerais do coelho branco (dance of days)


então essa música
nunca havia ecoado tanto na minha cabeça
como tem acontecido ultimamente.


tento pensar em coisas

que não me deixem lembrar

das noites em que fiz planos para

trocar meus olhos por restos de comida e

cinzas de cigarro molhadas

impressas no tapete

em festas que estive

e ninguém me viu

atirar bolo aos peixes


PRA QUE TEORIZAR SOBRE ESTAR SÓ

se o inverso de ser feliz

é a certeza de saber que

nem sempre temos

respostas que queremos ouvir?


então me liga, ela disse

na verdade sequer sabe o meu nome

ligo sim, é claro, respondi

acabo sempre ligando...


sabe hoje talvez passe aquele filme

que eu gosto tanto...


eu podia ser gentil

e perguntar

coisas fúteis

mas o que eu queria mesmo

era ter um copo de àgua suja

pra beber


e parar de fingir não saber

se o vazio é bem maior

agora que sabemos ter feito

o melhor pra nós dois

e deixamos tudo mais pra depois...

(...)


22.4.10

luzes da cidade, anotações de celular

vivendo no desequilíbrio
carregado pela água da vida

[que escoa

ora mais fraca
ora mais forte
ora mais doce
hora amarga]

sendo a incerteza
a única coisa certa

reconhecendo o desequilíbrio
como a única postura ereta

& positiva, & proativa, & alucinante
& ameaçeadora

apontando sobre as coisas
minha atenção
minha vontade
de enxergar além

descobri o que ainda não foi visto
nem dito por ninguém

tendo isso em vista
EU LHES PROPONHO
a criação
de um PRINCIPADO MÁGICO
CONTRA
o estado democrático autoritário

seremos PRÍNCIPES e de nossos castelos de sonho & sexo & vinho & maconha jogaremos bombas antimonotonia nos sujeitos de terno e despertadores; atiraremos como óleo quente os gritos dos torturados, & a fome e a inconsequencia das crianças de rua explodiremos nos homens que vestem a farda e esquecem do caráter e a partir daí poderemos enrolar em kilometros e kilometros de fita tape todos os cidadãos-de-bem que viajam pelo mundo enganando votos e trouxas como vocês que acreditam! vocês não terão lugar nesse mundo PORQUE NA VERDADE VOCÊS NÃO EXISTEM, VOCÊS NÃO EXISTEM! TODOS OS ANOS VOCÊS VIVEM O MESMO ANO, E ENTÃO?????????? PROTEJAM-SE EM SUAS GAIOLAS, EM SUAS GRADES, EM SEUS TRABALHOS, EM SUAS FAMÍLIAS, EM SEUS CARROS. CADA TERREMOTO É UMA FISSURA CHEIA DE SIGNIFICADO QUE SE ABRE CONTRA TODOS! VIDA LONGA AOS PRINCIPADOS DO TESÃO ANÁRCO-ERÉTICO!ADEUS MEDROSOS!!!

21.4.10

kun (quem) dera

uma coisa que deve ser mencionada
sobre a insustentável leveza de ser
é o mistério vivo na humanidade
que ao mesmo tempo parece leve
e eterno
e que no presente
carrega esse peso enorme
que é o fato
de nunca descobrir
se agimos certo
ou errado

não há como medir
porque cada situação vivida
representa uma experiência única

não se pode voltar atrás
nem ir pra frente
não se pode comparar

você já pensou sobre isso?

nunca saberemos se tomamos a decisão certa
nunca saberemos se tomamos a decisão certa
nunca saberemos se tomamos a decisão certa

20.4.10

Paisagem

Sempre que subo
a rua que você descia
todos os dias
Vejo alguns vultos
que inevitavelmente
me lembram da gente

por debaixo dessas árvores
e através do vento
por cima das folhas secas
e ao mesmo tempo

estamos presentes

em toda paisagem.

Isso é assustador

quem sabe um dia
não teremos mais medo
de andar de mãos dadas denovo
pela trilha solitária desse morro

5.4.10

FILOSOquimicOEMA

sinto o vento frio
que entra pela pequena
fresta da janela
que abri pra soprar longe
a fumaça que agora
sai da minha boca

como monóxido de carbono
alguns poemas
devem permanecer
dentro de nós

o que não impede
de colocarmos no papel
a filosofia resultante
dessa interação

2.4.10

a materialidade do eterno desafio

romântico e libertátio
individuo desenraizado
em minha própria terra

ando mais próximo dos loucos
e das crianças
do que da normalidade
imposta pela racionalidade
[CONTÁBIL]
da burguesia

o CONFLITO primordial
do TEMPO em que não se dividia o -tempo.

-duvidar-
a sede de conhecimento
-não aceitar-

SER EXPULSO É O DESTINO
lúcifer, o primeiro rebelde
ANJO CAÍDO
que habita em mim

7.2.10

Aguento

hoje eu sei
eu sei pelo tom da sua voz
que não
me quer por perto

o quanto é preciso
ser forte
mais que esperto
pra seguir o seu conselho

amanhã
eu sei
eu sei que eu não devo lhe procurar
e realmente não lhe procuro

mas
o que eu faço
se ainda lhe encontro
todo momento
dentro de mim?

26.1.10

Pressarquitetura

Fiquei esperando
na frente do escritório
você girar a chave,
bater a porta.
Me oferecer
seu sorriso gostoso.
Mas você não veio.

E eu fiquei sem companhia
para caminhar.
Sem meu violão,
sem o ritmo dos seus passos
junto com a minha mão.

[você saindo do trabalho
eu indo trabalhar...

isso tá errado
eu só quero descansar

(e cansar)

com você]

JN's

20 horas
por cada fresta de janela
(caminho)
vejo um feixe de luz
azul

o jornal! AH
O JORNAL!

que conta as coisas importantes
que pauta a miséria da noite

e decide

as conversas vazias
dos próximos dias

12.1.10

sentir o desabar

os primeiros sinais
todos sentem
ninguém age

rachaduras
infiltrações
pouco caso

os escritórios
de engenharia
de relações sociais
e sexuais

estão fadados
a desmoronar

nada resiste
aos pontos altos e baixos
as intempéries
os terremotos

do que se convencionou
chamar amor



tudo pode ruir
tanto
que você mesmo
já consegue sentir

20.11.09

o bonde do tigrão vai anarquizar o bananão

Eu acho funk carioca o máximo.

Um bando de analfabetos funcionais miseráveis e sem o menor refinamento se junta, aprende a operar aparelhos até certo ponto sofisticados, apropria-se de peças da indústria cultural e avacalha com tudo, transformando-as em um batidão irresistível pontuado por letras que falam de suas próprias vidas. Cultura popular é isso aí.

Mais do que isso, estes jovens criam um mercado próprio para sua música, inventam festas que reforçam os laços comunitários — muito embora isso em geral envolva tomar posição contra outras comunidades — e criam um sistema de distribuição de renda e ascensão social próprio das favelas.

De acordo com reportagem da revista Carta Capital de 20 de abril (2005), por Pedro Alexandre Sanches, não são raros os funkeiros que faturam mais de R$ 10 mil por mês. Além disso, sua música tem um sistema de distribuição independente de fato, passando longe das grandes gravadoras e até mesmo dos impostos cobrados pelo governo.

Os intelectuais de plantão, quando poderiam enxergar no funk a manifestação de uma imensa criatividade que, bem canalizada, poderia gerar música popular de excelente qualidade, preferem desqualificar o estilo com base em padrões eruditos. É óbvio que o funk é ruim. Difícil é esperar de excluídos semi-analfabetos que façam música que siga alto padrão, com a qual nunca tiveram contato.

Critica-se também a "mensagem" do funk. Mas ora, não se passou décadas exigindo uma cultura verdadeiramente popular no Brasil? Pois aí está ela. As letras falam da vida daquelas pessoas: assassinato e tráfico no horário comercial, sexo e drogas à noite para relaxar. Talvez algumas personalidades mais delicadas sintam nojo ao ver a falta de perspectivas daquela juventude exposta assim, nuazinha.

Assim como se chocam ao escutar meninas pedindo para serem "atoladas no cuzinho" ou coisa que o valha. Acham que isso mostra a exploração sofrida pela mulher nas rudes vielas onde mora a escória. Estranho não passar pela cabeça da gente de bem que elas possam realmente gostar disso e, na verdade, estejam levando o feminismo a um ponto mais alto, mostrando que podem encarar o sexo de maneira tanto quanto ou ainda mais fisiológica do que os homens.

O principal, no entanto, é que eles parecem estar se divertindo. E muito. No fundo, toda a grita contra o funk pode ser preconceito contra o fato de pobres estarem se divertindo. Da direita — porque, audácia! A ralé não tem o direito de se divertir! — ou da esquerda — porque eles deviam estar sofrendo com suas condições de vida subumanas e preparando a revolução, ou ao menos rendendo material para o Sebastião Salgado.

Acho o funk carioca o máximo não tanto como estilo musical — embora admita curtir um pancadão bem pegado em certos momentos —; acho o máximo mais como instituição. O funk, minha gente, é o futuro do movimento social.


Por Ari Almeida e Marcelo Trässel
http://www.delinquente.blogger.com.br/

13.11.09

ó Ana, vem ver

salto no escuro

entre dentes trago a faca

e nos meus olhos coloridos

- juro -

ó Ana, vem ver
ó Ana, vem ver

o fogo no mar
os peixes a arder

(Dizem que um pirata chamado Fausto,
marinheiro a serviço de Dom Fernão de Mendes,
cantava esses versos
durante assaltos e tempestades.)

12.11.09

O pintor de batalhas (parte 1)

do alto dessa torre
escuto ao longe
sua voz desconhecida

ecoando no mar
através de um megafone
dizendo aos turistas

quem eu sou, meu nome
um pintor, conhecido

tentando captar
nessas cores nessa tela
a sensibilidade do homem
a essência de toda guerra

o que você sabe sobre mim
e o que eu sei sobre você

não é nada mais que espuma
se dissolvendo na areia

como sua voz distante
diminuindo
com o motor do barco
indo embora

5.11.09

Arte de andar

quase dois meses sem postar merece um registro
homenagem a paulo leminski seguida de um poema-andar-e-bar

"cinco bares
dez conhaques
ainda atravesso são paulo
dormindo dentro de um táxi"

(é algo assim)

20.8.09

banco do brasil [ou banco no brasil]

na fila do banco
todos só tinham olhos
praquela bunda

praquela bunda
todos queriam ser banco
caixa
fariam fila
para encaixar
[encaixotar]
na posição
a composição correta
as notas certas
contadas
de todo seu dinheiro suado


maldito mundo
onde tudo se compra e vende

o banco
a bunda
o olho
lugar na fila

pra quem não é capitalista
resta a aventura da conquista

(saiu e nem me olhou)

12.8.09

olhar

revendo algumas fotos
penso
que suas olheiras
são o charme dos meus olhos

3.8.09

realise with me

sonhei que quando acordei
você dormia sorrindo ao meu lado

não hesitei

quis ver você sorrir melhor
e então deslizei

com a boca quente
por entre suas pernas.

[tudo bem,
não foi um sonho]

[é um plano]

que do meu ponto de vista
e de lingua
seria completamente realizável
e realizador
tanto para você
quanto para nós dois]

29.7.09

refrão constante contemporâneo do meu exercício de vontade musical

eu não sou tímido

o que acontece

é que contigo

caminho tão devagar
(pra passar mais tempo)

pra que ninguém
(mesmo correndo)

saque nosso ritmo

e consiga nos alcançar

contra a sobriedade, a crítica ambulante

poetas fingidores
são falsos poetas

não são corajosos
pra assumir
que matariam por tesão
e que morreriam por amor

poetas fingidores
têm medo da polícia

e dormem cedo
para não chegarem
atrasados no trabalho

se poetas fingidores
nunca roubaram
prazeres efêmeros
de uma mulher sequer

tampouco ousarão
saquear e sitiar
para conquistar
um belo coração



((((longa vida aos pirates-true-love
para a prancha os poets finge-dor)))))

22.7.09

destinatário: (em branco)

no meio dessa pilha de livros
vou folheando vozes
que sobreviveram
através do tempo

disfarço, finjo que trabalho
que as classifico

me distraio

no fundo, o que mais faço
é conversar comigo

enquanto você está longe

(preparo)

descubro o que há de mais bonito na filosofia
esperando o dia

em que vou poder lhe contar quase tudo

...

palavras podem fazer
pequenos amantes
amarem-se sempre
bem mais que antes

2.7.09

Revisando

se eu sou quem eu sou
é porque faço o que faço

as responsabilidades que me cobram
não fazem parte do meu catálogo

eu bem poderia
ser um pouco mais centrado
se o que julgam importante
não fosse parte desse quadro

e nessa tela,
seus pincéis aparentemente corretos
têm pintado tudo errado

tintas coloridas
não pretendem colaborar
com um mundo cinza-engravatado

22.6.09

André Gorz - Carta a D.

Tive muitas dificuldades com o amor (ao qual Sartre dedicou umas trinta páginas de O Ser e O Nada), pois é impossível explicar filosoficamente por que amamos e queremos ser amados por determinada pessoa, excluindo todas as outras.

Na época, não procurei a resposta para tal questão na experiência que estava vivendo. Não descobri, como faço agora, qual era o alicerce do nosso amor. Nem que o fato de estar dolorosa e deliciosamente obcecado pela coincidência sempre prometida e evanescente do gosto que temos pelos nossos corpos

- quando digo corpo, não esqueço que "a alma é o corpo" tanto para Merleau-Ponty como para Sartre -,

nos remete a experiências fundadoras cujas raízes estão mergulhadas na infância: na descoberta primeira, originária, das emoções que uma voz, um cheiro, uma cor de pele, um jeito de se mover e de ser, que serão para sempre a norma ideal, têm ressonancia em mim. É isto: a paixão amorosa é um modo de entrar em ressonância com o outro, corpo e alma, e somente com ele ou com ela.

Estamos aquém e além da filosofia.





[Trecho da carta que André Gorz escreve a Dorine, sua companheira por quase sessenta anos. Essa carta precede o suicídio de ambos alguns meses depois, aos oitenta e poucos anos. Nenhum dos dois suportaria ver o outro partir, por isso resolveram abandonar a vida juntos.]

11.6.09

Office Boy

documentos financeiros
são salmos que necessitam ser saldados
em grandes templos bancários.

do contrário
você corre o risco
de ser identificado
como um herege
que não faz parte da seita
DEUS-TRABALHO-ESTADO

independence avenue

30horas p tentar construir um amor que se perde em
30minutos a pé.

eu não sei o que existe em você
a não ser
esse meu desejo confortável e
mal declarado

1.6.09

Focar na poesia [em construção]

espera só
eu descobrir um modo
de acordar mais na sua cama
sem ficar no seu pé

p'ra isso
vou andar
com a cabeça mais erguida
e focar minha poesia
................................................................................................[tanto a das palavras]
...........................................................................................[quanto a dos meus gestos,]
...................................................................................[dos jeitos e dos beijos]
na sua forma de me olhar.

assim,
posso tentar estudar

você e eu ; você em mim.

(p'ra sermos mestres,
precisamos

antes
se cursar
mais

p'ra depois
melhor
se formar.)

30.5.09

Exigência nº 2

tomara que você
não se assuste
mas se pergunte
como que lembro
do seu rosto

assim você pode entender,
quando eu começar
a lhe contar,
por que motivo eu sei

que já passamos,
ao mesmo tempo,
pelas mesmas ruas

e que já escutamos, também,
durante algum tempo,
as mesmas músicas.

enquanto você dançava
eu me lembrava
de você caminhando

agora quando você caminhar
talvez acabe vendo
você dançando

...

eu me ocupava com meus copos
você desconversava outros tontos

(do meu ponto de vista,
é claro)
...

enquanto você dançava
eu me lembrava
de você caminhando

agora quando você caminhar
talvez acabe vendo
você dançando

11.5.09

Devaneio sob nevoeiro

Depois de tudo que tem acontecido, checo se está tudo certo comigo no espelho. Deve estar tão frio aqui dentro que chega a sair fumaça do meu nariz. Na verdade, e só agora - com um cigarro aceso entre os dedos - percebo que a fumaça não tem nada a ver com diferença térmica e condensação. Foi apenas uma tragada esquecida no tempo durante aqueles segundos.

O tic-tac do relógio. O tic-tac. Tic-tac.
O nevoeiro que me fez pegar esta caneta não existe mais.
A névoa de ontem não será a mesma de hoje.
A História, como a neblina, só se repete como farsa.

Raios de Sol atravessam nuvens.
Há luz em tempos nublados.
Mesmo que sem o mesmo vigor
a luminosidade perfura tempos fechados.

Serei um desses raios
que na aparente escuridão da noite
ilumina a Lua.

23.4.09

A walk among the tombstones (Reagan Butcher)

contrabandeando poemas fora da prisão
nas solas dos meus sapatos
estou a caminho de encontrar a salvação
nos braços de uma mulher

eu olho pela minha janela e vejo
flores pegando fogo e exércitos passando
fome
mas quando olho para cima dentro do céu
à noite
eu vejo almas de heróis mortos

(traduzido agora)

http://raeganbutchermedia.org/stonehotel.aspx

8.4.09

when you write through the window

when you write through this window
I know, for some reason, you like me


...I began writing verses
because of you
when I was a kid
[you will never]
[get rid of it]

when you write through this window
you say i'm a junkie

but i'm not junkie
enough
to die
[without] 
[touching your naked body]
[at least one time]
[in this crazy fool life]

(don't you think)
(you should wear)

(me)

(sometimes)

(inside?)

when you write through this window
I think about missing 
you again

miss 
universe

5.3.09

Aprova

é bem provável
que para você e sua alegria
isso não signifique grande coisa

mas fazia mais de um ano
que eu não beijava à luz do dia
nem sem ter tomado alguma coisa

os cigarros 
na sua janela 
definitivamente
têm outro gosto

é uma pena 
que tudo passe tão rápido
desrespeitando a serenidade 
das horas invisíveis
contidas
no relógio do seu microondas
que eu não sei ajustar

1.3.09

Gelo

o barulho do gelo
o gosto do gole
me tranquilizam de tal forma
que sinto
que não preciso dormir agora

se meu estômago pesa
e se a caneta mal desliza
não significa
que seja um problema

na verdade
sinto a solução
que tem escorrido pelo meu sangue
se diluindo em cada pedaço do meu corpo
e da minha vida

você pode olhar p'ra mim
e pensar
essa faculdade, esse emprego
essa existência fodida

"você poderia
ser muito melhor que isso"

mas eu já sou
é você que pisca o olho invertido
fechando para o que é preciso ser visto,
se deslumbrando 
com o que deveria ser combatido

Desculpem, mas estou escrevendo

é sempre meio fácil
se enturmar com álcool
conversar, contar a vida
em altas doses bizarras
o que torna-se difícil
é a situação
em que eu me encontro agora:
sentado, olhando esses corpinhos
a geladeira cheia de catuaba
e não conseguir dizer nada
nada do tipo

"invés de vocês dormirem
por a que a gente não bebe mais
se solta
e vê se rola?"

eu faria de vocês
as mulheres mais risonhas
e felizes do mundo
nem que fosse
só por uns minutos

ahaha

(ic)

13.2.09

nice girls and two joints - that's my point

como isso foi acontecer
eu não sei explicar
mas vou descrevendo
e me sentindo ótimo
sem ter que me esforçar
30minutos
segundo os especialistas
é o tempo que o thc
leva pra atingir o ápice
mas é o meu ponto alto
a minha aventura
que eu preciso contar:
o dia em que todos os caras pagariam
pra estar no meu lugar
"vem vem, me segue"
"hm, claro!"
ponto 1.
"hm, acho que tu é meio bixinha"
"aham"
ponto 2.
passam se alguns minutos
e me encontro
(e como me encontro)
[nos encontramos]
entre três bocas
provavelmente
as melhores da festa,
os lábios mais malucos.

elas sabem que podem
o que podem
comigo

porque beautiful girls
just wanna have fun

o inferno são os outros

mas nunca nos importamos,
importamos?

nunca.

contem sempre comigo
e quando for necessário
eu não conto nada
pra ninguém

embora tenha vazado
quando eu comi vocês duas
na ilha do mel
em 2001

19.12.08

Like you do, here's my marijane-english subtitles for you

smoke weed everyday
makes me forget
most of the words
that i'm supposed to say
at university
and at work

"grass is gonna blow
all your brains
and you will not be able
to remember
a lot of things'

but I know
that's a lie
that's a huge lie.

see...

did I forget you?

I could smoke
with all my brothers
all the pot of the world

and you would still
be here in my head

like I am
there on your back

and if you
really really
don't like this
anymore

you can
put some colors over me
you can paint a new tattoo
you know
that's what probably
you're gonna do

and I don't mind
my neurons don't mind

as some of them
go away
with the smoke
the strong ones
insists
to stay
keeping save

these colours
your kisses
our games
that nicknames
your bed...

but
do not think this is sad
or that i'm going mad

these memories
are true
and I know
that in a certain way
forever
I'll be in you.

(does your mom
lost her orkut password?
'cause I'm still there too!)

16.12.08

eu-no-espelho, geertz-no-livro e ela por aí (e por aqui)

fico me observando
no espelho
frequentemente
como se eu procurasse
alguma coisa
em meu rosto

que fosse explicar
o que eu sinto.

nunca
encontro
nada.

mas continuo procurando,
tentando descobrir
como eu agiria
se o reflexo
me mostrasse
alguma outra face...

não!
não se engane.
isso não tem a ver com beleza,
mas com imaginação:

...
...

quanto pode um rosto

proporcionar,

demarcar

uma existência?


("nascemos com um equipamento
para viver mil vidas,
mas terminamos
no fim
tendo vivido uma só")

sigo pensando
sigo me olhando

eu sei

você não está mais
diante desses olhos
diante dos meus olhos

mas a sensação
embora nada aconteça
é de que você permanecerá
sempre aqui atrás
dentro da minha cabeça.

23.11.08

saindo da festa

bem vindo
ao deserto do real

o que estava obscuro torna-se claro
com todas pessoas indo em direção
às suas vidas mediocres

a festa acabou,
mas o espetáculo transcende
porque a encenação do cotidiano
continua.

hey, you
eu só queria poder continuar
sem hora pra levantar
e gargalhar

porque tudo isso não passa
de uma piada de mal gosto
que estamos reproduzindo
há séculos
anos
dias
e noites

aaaa
maldição!
eu me demito

3.11.08

tenho que falar que

eu queria muito
escrever sobre você

sobre acordar tranquilo
e te ver

comentando essas bobagens
que aparecem na tv

olha,
o engraçado

é que eu não costumo
sorrir muito
quando me levanto.

eu sempre mais é fumo
mas nunca com tanto

sorriso dentro da boca

- vai ver você é meio louca

como eu

que me preocupei
em como te beijar
num domingo
depois de um sábado.

mas é que eu realmente
não sabia como fazer

e então fui fumando
cigarro atrás de cigarro:

(tomara que você entenda
que isso foi só o meu jeito
de ficar mais ao seu lado)

26.10.08

eu não sou poeta

eu não sou poeta

isso eu não inventei

assim como um dono de boteco
não é um capitalista
eu não sou poesia

porque regrar as idéias
para ser entendido
e discutido

me tornaria um idiota

desses que compreendem poesia
e não vivem seus próprios versos

No balcão

duas gostosas
à noroeste
cochichando

ou falam de mim
ou comentam alguma coisa
sobre essa chuva


obviamente
era a chuva

um babaca
escrevendo no celular
não tem nada

de atraente

"tchau gurias"

Carazinho 03:48

nascido no sóbrio
explodido no álcool
desenvolvido quando?

bebida de peso

sentado no bambus
conheço todos e não conheço ninguém

ao meu lado
uma gorda - quem!?
só pra variar...

MAS
agora
- ao menos na minha vida -
chega de grandes potências

22.10.08

a ilusão seguida da destruição de separar o inseparável

o natural e o cultural
o biológico e o construído
o dado e o adquirido

ordenar, classificar, julgar
e punir.

o outro causa estranhamento,
sempre causará,

(pelo menos enquanto não formos UM)

mas enquanto eu me deslumbro
eu posso ir mais fundo.

e se eu percebo um mundo (diferente)
é porque devo ser um imundo.

[a nossa sorte
é que não somos as mesma coisa.]

"antes um vagabundo iluminado
que um terno
para todos
bem cortado"

perceba:
somos todos esfarrapados
em posições diferentes

ou seja:
(só escrevo-sinto o que penso-faço
por menos cultura e menos censura)

posso não ter sido claro
[grande coisa]
sempre preferi o escuro



Para Rousseau ou A coisa tá russa

seu ilumista canastrão
vou te buscar até no inferno

esses papos de razão
também são religião!

do contrato social
só quero a recisão!

- você tem que interferir

em um canteiro verde
um cortador de grama
é um bom artefato pra demarcar
na estrada da ufrgs e no alabama
a presença e a estupidez 
da civilização 'humana'

rodas, matemáticas: sem(i)-perspectivas

sobre 12 ou 16 rodas
meu olhar acompanha a paisagem
que se move dos mesmos jeitos
pelo menos 3 vezes ao dia

as antigas 2 rodas da liberdade
estão murchas,
foram murchas,
pelo destino certo da rotina

evidentemente
a vista das minhas rodas
ainda é diferente

da paisagem sem perspectiva,
das rodas que rodam todo dia.

isso
só me leva a um pensamento:
se 2 é mais do que 12
por que me ensinaram tudo errado?

17.10.08

A modelo mais requisitada de porto alegre

A modelo mais requisitada de Porto Alegre
já passou pelas minhas mãos.

Isso é inacreditável.

Embora ela ainda não fosse
a mais requisitada,
eu não era, não sou
e nunca serei
modelo para nada.

De qualquer forma,
há tempo, à tarde,
pra compartilhar
uma antiga intimidade


(tempo)


por ser a mais requisitada
ela vai sair daqui
sempre melhor perfumada

e disfarçando

porque eu não sou,
não fui e nunca serei
nenhum modelo para nada.

(tu tu tu do telefone)
o que persiste, exatamente,
é isso, 'é este!",
esse é o meu nome.

27.8.08

pré-intenção: CONSU(a)MADA

não importa quantos medos e enganos,
você não me causará perdas e danos.

meu prazer não pode ter a ver
com nenhuma de suas palavras

porque aqui passaram-se anos
(dentro dessa cabeça).
talvez aí...não, não, não!
(DÊ um jeito, cresça!)

autoritários e chantagistas
não combinam
com poetas e anarquistas

porque com os segundos
o tempo é mais precioso:
há liberdade na ação.

e, incrivelmente,
isso é muito maior
do que toda essa sua
enorme pretensão!

14.8.08

cuspe filosófico

quanto do tempo perdido
eu ganho?
tanto arrependimento...
por que só hoje
estranho?

uns olhos
meus ossos,
tormento,
uma rotina,
minha retina?

preciso de uma ritalina
de um banho de piscina
e de uma mina (!)

haha
é sempre uma merda
escrever com rima (!)

3.8.08

Cia. 17 'till 4h

sabe,
eu não sei.

acho que esses versos
amadureceram aqui dentro
antes de saírem aqui fora

eu não sei,
sabe,
mas 'sisuda',
'notívago'

(...)

muito vinho,
tuas palavras
e teu sorriso
me surpreendem.

eu não sei
sabe
mas eis um poema diferente

29.7.08

Sento sem cinto sozinho

você já senta em dupla,
então não me faça perguntas!

ajo como eu quiser agir
e se isso incomoda
é só sair daqui

as suas imaginações
não correspondem
às minhas intenções

estamos aprendendo
e estamos felizes:
não preciso de suas direções
nem saber de suas crises

deixe que os outros falem
porque um dia eles caem,
eles sempre caem!

por isso
só me sinto na janela
onde sento e me penso
'ah! como passa o tempo!'

14.7.08

A maldição dos poetas

é a maldição dos extremos

em tudo
procuro significado
destruo
as coisas do presente
bem guardo
todo meu passado

a minha vontade
a minha liberdade
e as minhas crenças
são maiores do que deus

e por isso sou maldito
e serei desacreditado
por toda minha vida.

porque meus sonhos
são maiores que os vivos
e muito melhores
do que se acredita.


- Um brinde
às coisas escondidas!

12.7.08

constantemente me pergunto

se vale a pena lutar,
ou desistir desse mundo.

na vida, sempre confundo
os minutos com os segundos,
o caminho com a estrada,
o que é tudo e não é nada.

daí vou me destruindo.
de noite, saio sorrindo;
aí me lembro daquilo

pela manhã,
não sou tranqüilo.

sigo todos os desvios,
sigo todos meus amigos

porque se a vida é um castigo,
que haja algum prazer nisso.

11.7.08

drunk it

a diferença
entre estar sozinho
e namorar
é que sozinho
a gente faz tudo
bêbado bêbado bêbado
tipo sexo
e outras coisas
sem nexo

25.6.08

Investigation

há mistério na loucura
e há loucura no mistério

-doutor, mais um caso sério.
me parece homicidio.
facada... dois tiros:
aqui!
flagrante em adultério:

-quem era a mulher?
-poe aí:
uma qualquer.

o marido que era importante.

- como assim?
- um instante...

há loucura no mistério
e há mistério na loucura
(1a. parte.
quem sabe continua)

20.6.08

ghost-orchid

hoje em dia,
e naturalmente,
esse pseudômino
tornou-se uma farsa.

pensei em mudar
pr'algo agradável
ou que ao menos
tivesse graça

mas fake por farsa
no fim das contas
ele cumpre sua função:

me manter anônimo
a cada subversão.

porque existem,
sim, ainda existem

variadas normas,
formas de contenção.

mas não me preocupo
com a razão da supressão:
acredito no meu jeito.

sempre, o muro é burro.
e quando há repressão,
é porque há medo.

13.6.08

Os Príncipes de Charles Town

Em pleno dia dos namorados
Até no pior bordel
Permanecemos isolados

Essas malditas putas
Não suportam um cara sincero:

"Custa vinte cinco o keep cooler"
"Não tenho dinheiro, não quero!
Vai lá, vai e achaca um velho!

Sou universitário,
Pega um empresário!"

"Mas, meu bem
se tu não me pagar nada
vou ter que sair
pela casa sou obrigada..."

"Ah, deixa de ser coroa!"
"QUE? Agora eu sou coroa?"

"Digo, vamos jogar
cara ou coroa,
sabe... apostar...."

...

Em pleno dia dos namorados
Até no pior bordel
Permanecemos isolados

12.6.08

Love is in the air

Everywhere I look around

O amor está no ar.
E o ar está poluído
p'ra todos,
ou ausente.

Você vai ficar
meio doente

Porque, aos poucos
o ar que mantem a vida
a poucos,
traz a morte

Em toda sorte
de poluentes.

Alguns têm odor
como monóxido de carbono;

Outros, meu amor,
te roubam todo o sono.

Se houver chance (dance, dance)
Escolha o veneno (será etileno)
E respire fundo (foda-se o mundo!)

FODA-SE

8.6.08

São Valentin

leve em conta meu passado
e não aposte no futuro.

só nunca esqueça do meu presente

3.6.08

pshhhhhhhhhhhhhhh

a televisão é propaganda.

no jornal há publicidade.

e o resto são outdoors
que colorem toscamente
toda a minha cidade.

se você pegar um spray
e soltar algumas tintas,
disk153 e você vai preso.

porque "não é direito
'sujar' a propriedade alheia
ainda mais dessa maneira
tão pessoal e feia"

mas, meu amigo,
há muita diferença
entre um outdoor
e um pixo?

há poluição visual,
mas vender é marketing
e pixar é crime.

você só pode avacalhar
com a vida e com o modo de pensar
e de fazer acreditar
e incentivar a comprar
(o que você não vai precisar)
quando você puder pagar.

o estado sempre protegeu e protegerá os ricos:
não há nenhuma grande questão filosófica nisso
a não ser acabar com tudo isso.

27.5.08

solidão.

nunca me fiz tanta companhia
como tenho me feito
nesses últimos dias

mas um acompanhante
geralmente conversa
e não é tão semelhante

como eu sou comigo mesmo.

meus pensamentos não têm som:
ecoam acima dos meus olhos.
apesar de ser pior que bom
não é sempre muito ruim.

porque nada tenho a dizer pra mim:

minha visão substitui as palavras
de forma que não preciso dizer nada

o problema que se dá é o conflito
quando vejo diferente do que sinto

sinto, imagino, sonho, deliro
vejo, acabo, me mato, suspiro

26.5.08

For the weak ones

onde reside
minha sobrevontade
de sobreviver,
se a cada dia,
junto com as horas,
vêm as derrotas?

é possível
que sejam maiores
e mais gostosas
algumas poucas
(e ralas) vitórias?

talvez...

há um tipo de acuçar
que luta e contamina
os sacos de amargura
que compõem minha vida:

prazer.

é necessário viver para ver
e sentir

que há muitas coisas a se fazer
e a destruir.

25.5.08

greve de arte

houve uma época
em que me preocupava
escrever bem.

aquela coisa de querer ser genial
esperto, original...

eu tinha que ser bom e preciso;
as minhas palavras tinham que ser precisas.

hoje eu-preciso
mas não pra isso.

preciso descobrir quem eu sou
e pra isso
não preciso ser preciso.

saca?
claro
que saco!

DDD

sentei na cama
e fiquei esperando
o telefone tocar.

quem sabe um engano,
um interurbano,
alguém que eu amo

e ainda não conheci.

'Não.'

então olhei para fora,
e pensei na hora
'é o carteiro agora!'

'Não. '

era só um idiota de amarelo
com uma bolsa estupidamente grande
e provavelmente sem cartas.

que raiva!

se eu pudesse pagar, quebrava tudo.
só não quebro nada porque não posso

MESMO!